#85 Pedro Teixeira – A nova vida dos psicadélicos como meio para compreender a mente humana e melhorar a saúde mental


Pedro Teixeira é professor catedrático de Nutrição, Exercício e Saúde na Faculdade de Motricidade Humana (FMH) da Universidade de Lisboa.

-> Apoie este projecto e faça parte da comunidade de mecenas do 45 Graus em: 45graus.parafuso.net/apoiar

De há uns anos para cá, o interesse do convidado por formas de melhorar a nossa saúde — mental e física — juntou-se às experiências transformadoras que ele próprio teve com substâncias psicadélicas, o que o levou a envolver-se em várias iniciativas na área, incluindo a escrita de artigos e a participação em iniciativas de divulgação científica para o público em geral do potencial destas substâncias psicadélicos; um potencial ainda pouco divulgado e, sobretudo, que ainda está em grande parte por compreender.

De facto, foi nos últimos dez, vinte anos que ressurgiu o interesse científico pelo potencial dos psicadélicos em vários campos da ciência. Mas, neste curto espaço de tempo (em termos científicos), a investigação tem vindo a revelar um enorme potencial destas substâncias não só para ajudar a compreender o funcionamento da mente humana (como o eterno mistério da consciência), mas também em aplicações com um impacto mais directo, como por exemplo no tratamento de uma série de doenças psiquiátricas, desde a adição à depressão e à ansiedade. 

A par deste interesse crescente de neurocientistas e psicólogos — que é ainda localizado mas está em franco crescimento –, vive-se hoje um entusiasmo cada vez maior também por parte de um público mais vasto, que é cativado pelo potencial de auto-descoberta destas substâncias. O ponto de viragem neste processo foi o livro “How To Change Your Mind”, que o jornalista e professor universitário Michael Pollan lançou em 2018, e que conta a História do uso e da investigação destas substâncias e da sua redescoberta pela investigação científica.

A História dos psicadélicos é, aliás, fascinante em si mesma: Como falamos no início da conversa com o Pedro, já no passado a investigação nesta área tinha revelado sinais muito promissores, ao ponto de ter chegado a haver quem afirmasse que a descoberta do potencial dos psicadélicos para compreender a mente humana era comparável à revolução que significou, para a Biologia, a invenção do microscópio ou, para a Astronomia, a invenção do telescópio

No entanto, o uso indiscriminado dos psicadélicos durante a contracultura dos anos 1960s e, sobretudo, uma campanha deliberada movida pelo Governo americano da época, conduziram à ilegalização destas substâncias em muitos países e, por conseguinte, à interrupção da investigação científica, que só no início dos anos 2000s foi retomada. 

Na verdade, hoje sabe-se que os psicadélicos são, em geral, seguros do ponto de vista farmacológico, embora existam riscos psicológicos, quando o contexto de utilização não é adequado. Por exemplo, uma ‘trip’ mal enquadrada pode prejudicar a saúde mental da pessoa e há ainda casos, embora sejam extremamente raros, de pessoas que, num ‘estado alterado de consciência’ sem ninguém por perto tiveram acidentes. 

Durante a nossa conversa, falámos sobre tudo isto e muito mais: explorámos, por exemplo, em mais detalhe o modo como os psicadélicos actuam na fisiologia e funcionamento do nosso cérebro, falámos de como é a experiência pessoal de tomar psicadélicos (foi muito interessante ouvir o convidado relatar as suas próprias experiências de viva voz). Falámos, também, de um aspecto particularmente curioso, que é o facto de muitas pessoas terem experiências ‘transcendentes’ com estas substâncias (e sobre o que isso pode (ou não) significar). Finalmente, abordámos a comparação deste com outros métodos que permitem ‘formas alteradas de consciência’, tais como a meditação, e falámos ainda do potencial da chamada ‘micro-dosagem’. 

 

Índice da conversa:

  1. (Artigos do convidado no PÚBLICO)
  2. O que são substâncias psicadélicas? Os principais tipos de psicadélicos.
  3. A História dos psicadélicos: da ascensão – à ilegalização – à reabilitação nas últimas décadas
    • Comparação com outras substâncias (e.g. álcool)
    • Ben Sessa
    • MDMA
  4. Toxicidade das substâncias psicadélicas
    • Benefícios terapêuticos – doenças psiquiátricas
      1. Modo de actuação no cérebro
  5. Onde está o potencial dos psicadélicos?
    • Experiência biográfica vs transcendental / espiritual
  6. Tipos de experiência (psicológica) com psicadélicos
  7. Neurobiologia vs psicologia
  8. Como é a experiência de tomar psicadélicos?
  9. A dissolução do ego
  10. Psicadélicos enquanto meio de acesso a “verdades transcendentes”
  11. Outros métodos para gerar estados alternativos de consciência
  12. A frequência adequada para utilizar este tipo de substâncias?
  13. Efeitos persistentes dos psicadélicos no cérebro
  14. Micro-dosagem
  15. Recomendações do convidado

Obrigado aos mecenas do podcast:

 

  • Gustavo Pimenta; Eduardo Correia de Matos, Joana Monteiro
  • Carlos Martins, Corto Lemos, Joana Faria Alves, João Baltazar, Mafalda Lopes da Costa, Rogério Jorge, Salvador Cunha, Tiago Leite, Rui Oliveira Gomes, Duarte Dória, 
  • Abilio Silva, António Padilha, Carmen Camacho, Daniel Correia, Diogo Sampaio Viana, Francisco Fonseca, Helder Miranda, Joao Saro, João Nelas, Mafalda Pratas, Rafael Melo, Rafael Santos, Ricardo Duarte, Rita Mateus, Tiago Neves Paixão, Tiago Queiroz, Tomás Costa, José Soveral, João Almeida, André Oliveira, João Silveira, Miguel Cabedo e Vasconcelos, Joao Salvado, José Jesus, Filipa Branco, Ana Sousa Amorim, Manuel Martins, Maria Joao Braga da Cruz, Luis Belchior, João Bernardino, Sara Mesquita, Nuno Tiago Samelo
  • Duarte, Filipe Ribeiro, Francisco Aguiar , Francisco Arantes, Francisco dos Santos, Francisco Vasconcelos, Henrique Lopes Valença, Henrique Pedro, Hugo Correia, isosamep, Joana Margarida Alves Martins, Joao Diogo, Joao Pinto, Jose Pedroso, José Galinha, José Oliveira Pratas, JosÉ Proença, JoÃo Diogo Silva, JoÃo Moreira, JoÃo Raimundo, Luis Ferreira, Luis Marques, Luis Quelhas Valente, Marco Coelho, Mariana Barosa, Marise Almeida, Marta Baptista Coelho, Marta Madeira, Miguel Coimbra, Miguel Palhas, Nuno Gonçalves, Nuno Nogueira, Pedro, Pedro alagoa, Pedro Rebelo, Pedro Vaz, Renato Vasconcelos, Ricardo Delgadinho, rodrigo brazÃo, Rui Baldaia, Rui Carrilho, Rui Passos Rocha, Telmo, Tiago Costa da Rocha, Tiago Pires, Tomás Félix, Vasco Lima, Vasco Sá Pinto, Vitor Filipe, Ricardo Nogueira, Alexandre Almeida, Francisco Arantes, João Crispim, Paulo dos Santos, Élio Mateus, André Peralta Santos, João Pinho, Paulo Fuentez, Simão Morais, Andrea Grosso, Robertt, Fonsini, João Barbosa, Jose António Moreira, Luís Pereira, João Martins, Sérgio Catalão, Vasco Faden Araujo, João Castanheira, Cátia Prudêncio, Telmo Damião, Gerson Castro, Rodrigo Murteira Pedrosa, Alexandre Freitas, Andreia Esteves, Renato Mendes, Carlos Magalhães Lima, Maria Francisca Couto, Tomás Santos, Antonio Albuquerque, Natália Ribeiro, Pedro F. Finisterra, Francisco Santos, João M. Bastos, Rita Branco, Inês Grosa, Lara Pimentel, Natália Ribeiro, Joana Antunes, Lara Luís, Nelson Lopes, João Bastos, Nelson Poças, Tânia Marques, Fernando Sousa, Francisco López Bermúdez, Pedro Correia, Tiago Chança, MacacoQuitado, Paulo Ferreira, João Aires, Gabriela 

 

 

 

Esta conversa foi editada por: Martim Cunha Rego

Bio: Licenciado em Educação Física e Doutorado em Ciências da Nutrição (pela Universidade do Arizona), é Professor de Nutrição, Exercício e Saúde na FMH da Universidade de Lisboa. Aí, investiga, desde há 20 anos, aspetos psicológicos e comportamentais da atividade física, alimentação e obesidade, com mais de uma centena de publicações internacionais. Foi recentemente diretor do Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física da Direção-Geral da Saúde, entre outros cargos dirigentes que ocupou na FMH e em várias sociedade científicas, como a Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade e a International Society for Behavioral Nutrition and Physical Activity.  Em 2018, o livro “How to Change Your Mind” de Michael Pollan (prestes a ser traduzido em Português) fez despertar um interesse antigo no funcionamento da mente humana e especificamente no potencial das substâncias psicadélicas. Desde então, tem estudado o tema e está envolvido em várias iniciativas na área, incluindo a escrita de artigos e a participação em iniciativas de divulgação científica para o público em geral.

Ligação ao Libsyn

Please follow and like us:
error
Gostou deste episódio? Apoie o 45 Graus através do Patreon!

2 Replies to “#85 Pedro Teixeira – A nova vida dos psicadélicos como meio para compreender a mente humana e melhorar a saúde mental”

  1. Jerome

    Bom tarde, e antes de mais, obrigado pelo conteúdo bastante interessante neste Podcast. É o primeiro podcast português que ouço sobre o tema.
    Gostaria igualmente de ter ouvido falar da disponibilidade e procura d’utilização terapêutica dessas substâncias em Portugal. As minhas pesquisas para uma utilização devidamente enquadrada não tiveram sucesso.
    Conseguiu apurar alguma informação relativamente a isso?
    Mais uma vez obrigado.
    Keep up the good work.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Seguir o 45 Graus

Apoie o podcast através do Patreon

Apoie o podcast via Paypal